O amor e o porquê – A não contradição

Existe contradição no amor? Amor e ódio são mesmo sentimentos próximos? Não seriam, na verdade, diametralmente opostos? Estes textos não servem para dar respostas, meu caro. Não se aflija mais. Se a contradição é real ou aparente, se a dúvida te corrói, nem mesmo leia isto. Não creio que será de grande valia. Continuar lendo

Anúncios

O amor e o porquê – A razão suficiente

Tudo no mundo segue uma lógica? Será mesmo possível ser assim tão absoluto? Será que até mesmo o amor pode seguir uma lógica? Estes textos não pretendem buscar um porquê para o amor, uma explicação que se lhe aplique, ou qualquer lógica que lhe dê uma fórmula. Estes textos, na verdade, não pretendem nada. Se você quiser lê-los, meu caro, a responsabilidade é toda sua.

Continuar lendo

A memória liberta

“Ao passar por aqueles corredores de Auschwitz e caminhar por entre as cabanas de Auschwitz II, deixamos um bocado das nossas pequenas intolerâncias, dos nossos pequenos preconceitos, da nossa própria pequenez de imaginar pequenos nossos defeitos”.

Continuar lendo

Bom dia, viajante!

Quando me pego acomodado às minhas mais miúdas certezas é que me lembro, amigo viajante, que te devo este texto. Muito porque é com gratidão que construímos nessa vida alguma dignidade – e isto, amigo, eu te devo, um sonoro obrigado por me empurrar para fora desse meu mundinho cercado de grades que me dão só uma visão do externo, entre um salto e outro dos meus três poleiros.

Continuar lendo

Não sei, só sei que foi assim.

 

Quando penso no filme O Auto da Compadecida me vem, involuntariamente à cabeça, a frase “não sei, só sei que foi assim”, sempre dita depois de uma narrativa algo mirabolante. De fato, nesses pensamentos constantes sobre passado, presente e futuro, sempre me dou conta de que passo muito pouco tempo no presente e que – assim como disse o Gustavo no seu último texto – às vezes nem sei como vim parar aqui.

De fato, não sei como, chego hoje a este ponto de, com tristeza, escrever mais um obituário e, como já mencionei anteriormente, não posso dizer que este tipo de texto seja do meu agrado. Na mesma semana em que partiram João Ubaldo e Rubem Alves.

Continuar lendo