Crescer, amadurecer

É isso, pessoal, acabo de compreender uma coisa importante: cheguei àquela idade. E por “àquela idade” quero dizer, àquela fase da vida. Aquela que eu jurei que não teria. Aquela que eu afirmei veementemente que evitaria.
É, tenho dores. Joelhos, costas, ombros. Troca o travesseiro, o pescoço me mata. Muito tempo sentada, a coluna já era. Muito tempo em pé, pernas inchadas. Dores de cabeça no fim do dia.

Continuar lendo

Anúncios

Enfrente

Quando eu era criança eu tinha medo de monstros e seres fantásticos. Havia algo de sincero quando eu dizia que não acreditava neles. Isso porque eu sempre fui um pouquinho racional e podia ver o quão improvável era aquilo tudo. Mas mesmo assim, me assustava com os desenhos da madeira do meu guarda-roupa porque eles pareciam olhos e isso é potencialmente perturbador para uma criança que precisa dormir, em um quarto quase escuro, sem a segurança da mãe ou de um herói. Aqueles pequenos estalos dos eletrodomésticos me deixaram apreensiva também. Era de enlouquecer qualquer mente infantil enfrentar a casa escura e silenciosa, entrecortada por aqueles barulhos. Continuar lendo

Link

Meninão mimado

Uma das coisas que eu descobri nos últimos tempos foi que para ser homem não basta crescer ou envelhecer. Há, por aí, muito moleque de barba na cara e voz grossa. Muitos deles dirigem empresas e carros importados. Outros sabem de estratégias, preços e marcas. Mas não aprenderam a ser gente.
Continuar lendo

Você curtiu que eu sei…

Ontem teve o encerramento da Copa do Brasil e aquela dose de Shakira me deixou nostálgica. Decidi postar uma lista com músicas inesquecíveis. Escolhi minhas 10 seguindo um critério muito importante: minha memória. Eu adoraria fazer uma pesquisa mais bonitinha e trazer uma lista mais trabalhada, mas o tempo está curto nessa segunda-feira.  Continuar lendo

Crônicas da Copa | A crônica indesejada

Eu não queria escrever este texto. Ele vem dolorido como o placar do inacreditável jogo pelas semi-finais da “Copa das Copas”. Vem dolorido como o rosto do Neymar, quando estava estirado no chão, se contorcendo após a fratura na coluna. Levamos sete gols da Alemanha. Em casa, para o mundo todo ver.

Continuar lendo